E o Inktober?? Tá de volta!! (Inktober 2015 pt. 1/2)

Eu volteeeeei! Uhuuuu! Será que agora pego firme?? Espero que sim!😛

E pra comemorar, eu trouxe a primeira parte do Inktober 2015!
Infelizmente eu não consegui postar esses desenhos com a regularidade certinha nas redes sociais, pois estava às voltas com o TCC da pós… Então resolvi fazer um post aqui com a primeira metade dos desenhos que fiz em Outubro!

Além do TCC, eu também estava envolvida com outra coisa…. Sim sim sim! Agora nós temos uma lojinha na Colab 55!! Muiiiiito amor!❤ Estou amando criar meus próprios produtos, e espero que também gostem e comprem!
Em breve algumas das ilustrações feitas durante o Inktober também estarão por lá, por isso eu vou redesenhar algumas das ilustrações e colori-las especialmente para aplicar nos produtos!😀

Bom, pra quem não sabe, o Inktober é um desafio criado pelo ilustrador Jake Parker, que consiste em fazer um desenho por dia, usando tinta nanquim, durante o mês de Outubro. 31 desenhos em 31 dias!🙂

Qualquer um pode participar, e é só divulgar os trabalhos pelas redes sociais usando a hashtag #inktober ou ainda #inktober2015 ! É muito divertido, e também força à nós ilustradores, a separar pelo menos um tempinho de cada dia para se dedicar à uma produção! E claro, podemos conhecer cada vez mais artistas talentosos por aí!

Mas chega de enrolação e vamos aos desenhos! Lembrando que aqui tem só os 15 primeiros, então se você quer ver os próximos, fique ligado por aqui!😉

Espero que tenham gostado!
Em breve estarei de volta com mais novidades!

Ah! E vou tentar colocar o link da lojinha ali na aba CONTATO!
Kissu! :*

O retorno!

Oh Deus… Acabei abandonando isto aqui de novo😦

Mas vamos lá, hora de retomar! E pra comemorar a volta, aqui vai uma ilustração nova:jardim noturnoBom, essa ilustração foi feita a partir do tema: Jardim Noturno. Tenho feito alguns exercícios do gênero para aumentar meu portfólio de ilustrações, e assim, quem sabe tentar novas oportunidades de trabalho.

Meu sonho é um dia poder ilustrar livros e capas, espero que praticando desta maneira possa conseguir realizar isso um dia!

Ah, a ilustração foi feita em papel Van Gogh tamanho A4, com aquarela e canetas de gel brancas e prateadas. Foi um trabalho bem bacana de se fazer. Adoro trabalhar com Aquarela nos intervalos de trabalho com Pontilhismo, gosto de ver como a tinta flui pelo papel úmido, além de ser bem relaxante!

Bom, este post foi meio curtinho, só para resgatar o blog, e me forçar a dar continuidade à ele! Em breve volto com mais novidades!

Até a próxima!😉

No meu instagram

tsurus

Sabe quando você tem muita coisa pra fazer, mas PRECISA dar uma pausa pra respirar um pouco, fazer algo diferente?

Pois é, aqui estou eu nesse momento! Hahaha!😛 Aproveitei a pequena pausa para fazer um breve post no blog e não deixá-lo morrer! (Não desisti não, tenho várias idéias na cabeça, só preciso organizá-las!)

Escolhi falar um pouco da minha experiência com o Instagram. Até o meio do ano passado eu nem ligava muito pra ele, minhas postagens não eram tão frequentes… Só achava mais um app legalzinho pra ver as fotos dozamigo, sabe?
Mas tudo começou a mudar quando eu aprendi de fato à usá-lo! Gente essas hashtags são TUDO mesmo!

Postei foto dos meus trabalhos artísticos com as hashtags adequadas e BUM! várias curtidas e comentários que eu não esperava! Depois entrei na onda do Inktober e o mesmo aconteceu, além de conhecer muitos outros perfis legais pela busca!

Ao terminar os trabalhos do Inktober, eu resolvi participar do #desafioprimeira criado pela Luh Testoni do blog Primeira à Esquerda. Foi aí que o vício começou… Hahaha!
O desafio consiste em fotografar todos os dias do mês, seguindo temas pré-determinados, e postar no instagram (ou outra rede social) com a hashtag #desafioprimeira. Não vou falar muito assim vocês ficam curiosos e entram no blog deles, ficam sabendo de tudo e quem sabe também participam! Lá também é um ótimo lugar para aprender fotografia, fikdik!😉

Mas a verdade é que esse desafio é um grande meio de aprendizagem, principalmente pra quem, assim como eu, está tentando dominar melhor as técnicas fotográficas. Criatividade é muito importante nesse processo também.
Fico muito feliz em dizer que não só o número de curtidas das minhas fotos aumentou, mas também o de seguidores e de comentários, e isso me faz acreditar que estou no caminho certo!

A fotografia não é meu principal meio de trabalho artístico, como a maioria já deve saber, é o pontilhismo e também a aquarela. Mas é um hobbie que eu gosto bastante, gosto de entender como funciona a câmera, e o que fazer para tirar fotos ainda melhores.

Pode parecer besta ficar se atentando à isso. mas acho que quem mexe com a parte artística tem as redes sociais como aliadas para saber se seu trabalho está agradando ou não. Por isso o fato das minhas estatísticas terem melhorado, me deixa sim, muito feliz e me faz querer aprender ainda mais!

Bom, acho que eu já falei demais, vou deixar algumas fotos do meu Instagram aqui!

Quem quiser me seguir no Instagram é: @analiviavidal
Está aí do lado! >>>>>>> É só entrar😉 Tenho postado quase todo dia, fotos como essas, sejam do #desafioprimeira ou de trabalhos pessoas, e também do meu dia a dia! Sejam bem vindos!❤

Até a próxima pessoal!

Yayoi Kusama + Ron Mueck pt. 2

[CONTINUAÇÃO]

Bom, a segunda exposição que visitei esse ano, em São Paulo, foi a do escultor Ron Mueck, na Pinacoteca.

O prédio em que está a Pinacoteca é outra construção de tirar o fôlego. É enorme, tem um acervo imenso e rico, além de um lindo parque ao lado. A localização também não poderia ser outra, logo em frente à Estação da Luz!

Fachada Pinacoteca

Estação da Luz

Como não poderia ser diferente, havia uma espera de pelo menos 1 hora para a entrada na exposição de Ron Mueck. Durante a semana a entrada custa R$6,00 e é de graça na quinta-feira após às 17h e aos sábados durante o dia todo.

Ao final da espera, chegamos a entrada da Exposição de Ron Mueck e somos conduzidos pelas salas onde se encontram suas esculturas. Uma vez passado por uma sala, não é possível retornar a mesma, algo que achei bem interessante pois além de facilitar o fluxo de pessoas pela exposição, faz com que os visitantes aproveitem ao máximo o contato com cada obra.

Ron Mueck é australiano, nasceu em 1958, e hoje em dia vive em Londres. Cresceu vendo seus pais confeccionarem brinquedos, algo que influenciou muito sua produção, apesar de não ter nenhuma formação artística tradicional. Trabalhou com efeitos especiais e animação de personagens para televisão, cinema e publicidade. Mas foi em 1990 que passou a se dedicar mais à sua produção pessoal.

Os materiais escolhidos por Mueck são inovadores, o que faz dele um destaque no cenário contemporâneo. Suas esculturas hiperrealistas impressionam pela riqueza de detalhes, além do impressionante jogo de escalas que o artista traz, algumas vezes exageradamente grandes e outras menores do que o habitual.

A partir de um primeiro modelo em argila, Ron Mueck utiliza materiais como: fibra de vidro, resina, silicone e acrílico. Reproduz cada detalhe, como unhas, veias, cílios e pelos com um nível de exatidão impressionante, exceto pela alteração de escala, sendo suas esculturas sempre maiores ou menores que uma pessoa real.

Aqui no Brasil chegaram apenas nove de suas obras, mas já é suficiente para se encantar ainda mais com sua produção, e continuar acompanhando mesmo depois de sair do Museu.

Aqui estão as fotos de cada uma das esculturas, e alguns detalhes que achei interessante capturar. (Clique para ver maior):

Antes de entrarmos na sala onde estão as obras, existe um balcão com alguns encartes sobre a exposição. Vale muito a pena guardar um destes, é um ótimo material de apoio pois contém perguntas fundamentais que todos deviam fazer a respeito de cada obra. Estas perguntas nos ajudam a tentar compreender o que o artista quis transmitir em cada uma das suas obras.
As obras de Ron Mueck vão muito além do hiperrealismo e da variação de escala, elas nos fazem repensar nossa própria humanidade.

Ao finalizar a visitação à exposição de Mueck, é possível circular pelo acervo permanente da Pinacoteca, bem como loja e cafeteria.

Referências:

http://www.pinacoteca.org.br/


Visitar estas duas exposições foi algo realmente importante para mim, me fez adquirir maior repertório artístico e confirmar algo que eu já sabia, eu vivo e quero viver, da Arte e para Arte!
Espero que com estes posts eu consiga cativar cada vez mais pessoas a frequentarem museus e exposições, pois isso incentiva não só quem trabalha na área, mas também serve de alimento para a alma de cada um que aprecia uma obra de Arte.

E para finalizar:
A exposição de Ron Mueck fica na Pinacoteca até Janeiro, mas o acervo permanente está sempre aberto para visitação.
Agora, no Instituto Tomie Ohtake está acontecendo uma exposição sobre Salvador Dalí, que vai até Janeiro também! Pretendo ir o mais rápido possível!😀

Uuuufa! Depois de tanto escrever, espero ter passado um pouquinho do gosto dessas duas maravilhosas exposições, não deixem de conferir!
Vejo vocês na próxima!

Kiiiiiiiiissu da Ana! :*

Yayoi Kusama + Ron Mueck pt.1

[ESSE POST FOI DIVIDIDO EM DUAS PARTES! ESTA É A 1ª!]

Ops… Um pouquinho ausente pelas correrias de fim de ano, mas quem não estava, não é?

Hoje estou aqui para falar sobre as duas exposições que eu visitei esse ano, em São Paulo! A primeira é da artista japonesa Yayoi Kusama, que esteve em exibição no Instituto Tomie Ohtake. E a outra é do escultor Ron Mueck, aberta para visitação até Janeiro, na Pinacoteca.

Começando pela Kusama, a qual visitei primeiro, creio que no mês de Julho, se não me engano… Em primeiro lugar, posso dizer que o próprio prédio do Instituto Tomie Ohtake te ganha logo à primeira vista. Uma construção grandiosa com traços futuristas e arrojados, uma pena não tê-la fotografado por fora!
Além das salas destinadas à grandes exposições, o Instituto conta com ateliê para diversos cursos, salas para palestras, restaurante, livraria, lojas e etc…
Por ser uma artista muito conhecida, era de se esperar que as filas fossem grandes… Fiquei aproximadamente 1h30 para entrar no Instituto, fora a espera para entrar em cada sala onde estavam distribuídas suas obras. Mas tenho a plena convicção de que valeu cada segundo.

Yayoi Kusama começou a pintar aos 10 anos, fazendo uso do padrão conhecido como Polka Dots, algo que no Brasil se traduz por “Estampa de bolinhas” hahaha!😛 Ela produzia seus quadros tanto em aquarela, como em giz pastel e também tinta à óleo. Produziu também esculturas, filmes, video-arte, instalações e etc…

A exposição em questão recebeu o nome de “Obsessão Infinita” e é composta em sua maior parte por instalações, mas também conta com algumas telas, esculturas e breves filmes sobre sua vida e sua produção.

O primeiro ambiente que entrei era chamado de “I’m here, but nothing”, e era composto de uma sala de estar comum, com objetos de uso cotidiano, porém, totalmente coberta por adesivos de pontos coloridos e fluorescentes. É possível circular por entre os móveis e objetos, dando assim total imersão ao observador, na obra da artista.

"I'm here, but nothing" 1
"I'm here, but nothing" 2

Logo após sair desta sala, o visitante é conduzido por um corredor repleto de telas feitas por Yayoi.

Telas de Yayoi

É possível perceber a contínua obsessão da artista por bolas e pontos, feitos de maneira compulsiva e repetitiva por todas as suas obras…E claro, muitas cores, algo que eu sempre aprecio em obras!

Depois de passar por este corredor, chegamos a minha sala preferida, chamada “Filled with the Brilliance of Life”:

"Filled with the Brilliance of Life" 1

Já deu pra entender porquê eu amei tanto conhecer essa sala?! Ela é inteira espelhada, o chão também possui espelhos d’água, que criam o caminho a ser percorrido pelos visitantes. Além disso a sala é completamente preenchida por inúmeras lâmpadas penduradas e que mudam de cor! É simplesmente mágico! Eu que sempre fui uma pessoa fascinada por astronomia, planetas, constelações, etc, me senti como se estivesse mergulhando em infinitas estrelas! Gostaria de ter ficado mais tempo ali, observando tudo! Mas o tempo era curto, pois a fila lá fora só aumentava! Hahaha!

"Filled with the Brilliance of Life" 2

Depois de sair deste breve infinito (hehe), fui até uma sala que também estava muito curiosa de ver pessoalmente. Ela é chamada de: “The Obliteration Room”

"Obliteration Room"

Esta instalação consiste em um quarto inteiro pintado de branco, com móveis da mesma cor. Como é uma obra interativa, os visitantes recebem na entrada, uma cartela de adesivos coloridos, e assim vão preenchendo tooooda a sala com esses pontinhos! Infelizmente não consegui uma foto da sala por inteiro, pois estava extremamente lotada! Hahaha!

A produção de Yayoi Kusama tem um significado especial para mim. Utilizei as obras dessa artista como uma das referências artísticas no meu TCC. Sua compulsividade e obsessão por bolinhas e pontos tem muito a ver com a minha própria produção em pontilhismo. Como sou um pouco perfeccionista, gosto que os pontos sejam todos do mesmo tamanho e preenchidos de maneira homogênea… Enfim, estou apenas divagando, mas vejo alguma relação com isso! E gosto muito.

Yayoi Kusama, hoje com 85 anos de idade, sofre de transtorno obsessivo compulsivo desde a infância. Vinda de família repressora e que não valorizava sua produção, escapou do suicídio por insistir na sua arte. Vive há 30 anos em uma clínica psiquiátrica, onde se internou por vontade própria. Atualmente é considerada um dos grandes nomes da Arte Contemporânea, sendo um grande exemplo de artista que faz uso do seu próprio sofrimento para a produção de sua Arte.

Em suma, ter conhecido um pouco de suas obras pessoalmente me emocionou e motivou a dar continuidade e investir ainda mais no que faço. Valeu cada segundo!


Referências: http://www.yayoi-kusama.jp
http://www.institutotomieohtake.org.br/

[Esse post continua…]

O primeiro Autorretrato: #ilustraday

Olá terráqueos!

Estes dias entrei para o grupo do Ilustraday, que tem como objetivo lançar temas todo dia 15 de cada mês, e os participantes podem divulgar seus blogs e páginas com as ilustrações referentes à cada mês.

Quando vi que o tema deste mês era autorretrato fiquei “meio assim” de participar logo de cara, hahaha! >_< Uma que eu nunca fui muito boa em desenhar pessoas, e menos ainda em me desenhar. Outro problema, é o fato de produzir a maioria dos meus desenhos em pontilhismo, o que muitas vezes demora muito para serem concluídos, ainda mais agora que eu já estou produzindo outros dois!

Mas aí eu pensei: “Quer saber, vou aceitar o desafio!”. Ou seja, reduzi o tamanho do desenho, e saí pontilhando! E até que eu gostei do resultado! Foi uma produção bem desapegada, soltei a mão mesmo. Bem diferente das ilustrações que eu costumo fazer, em que eu tenho até medo de começar, por não querer que nada fique errado ou fora do lugar!

Enfim, chega de blá blá blá e vamos à ilustração!

Pontilhismo s/ papel Opaline. 2014.
Pontilhismo s/ papel Opaline. 2014.

E essa sou eu! Hehehe😀 Me diverti bastante fazendo!

Espero que tenham gostado! E não se esqueçam de passar na Fanpage no Facebook também!

:** da Ana!

Aquarelando – Libélula e dentes-de-leão

Esses dias resolvi mudar um pouco os ares e fazer algum trabalho com aquarela, pra variar um pouco do meu pontilhismo… À algumas semanas eu tenho desenvolvido um certo gosto por libélulas, elas se tornaram tão presentes na minha vida que agora tenho desenhado zilhões delas, comprei um par de brincos, e às vejo em todo lugar! Talvez seja porquê agora eu estou dando mais atenção à esses lindos bichinhos! ^^

Eu ia fazer um post mostrando todas as etapas dessa minha produção… Mas como eu disse no “Sobre mim” eu produzo muito mais de madrugada, e esse trabalho não foi diferente. E por isso, a luz não estava boa para fotografar, então resolvi deixar isso pra outro post, juro que eu mosto tudinho que eu faço na hora de produzir algum trabalho!😉

Outro fator é que eu tenho muita pressa para acabar alguns trabalhos, se eu vejo uma imagem na minha mente, quero reproduzi-la o mais rápido possível, para saber se eu consigo chegar no resultado desejado. Eu sei que isso não é bom, pois eu posso estragar tudo fazendo as coisas com tanta pressa, mas tem dias que simplesmente sai sem muito esforço. Mas naquela hora eu não consegui parar para fotografar cada etapa do processo, exatamente por isso!

Bom, agora falando um pouco sobre libélulas… Logo que eu percebi que estava com essa nova mania, eu fui pesquisar a simbologia da libélula, e acabei encontrando coisas muito interessantes! O principal significado é a mudança. Mas não qualquer mudança, é aquela mudança interior, que só se adquire através da maturidade. Ela é evocada para amadurecer idéias, para melhor clareza mental e autocontrole. Representa um espírito selvagem e livre.

A libélula é um animal pertencente à dois elementos: água e ar, logo, carrega também, toda a simbologia destes elementos. Além disso, a libélula pode representar o poder criativo, uma vez que está associada a uma aura de fantasia nos remetendo à seres encantados, como as fadas.

Enfim, são muitos significados e formas de interpretação, escolhi alguns legais para falar. Mas agora vamos ao trabalho em si:

Aquarela s/ papel Fabriano 300g. 2014
Aquarela s/ papel Fabriano 300g. 2014

Essa é uma das técnicas que eu mais gosto de fazer com aquarela. Consiste em criar uma máscara com algum desenhos, que vai ficar em branco, e só colorir em volta. Mas o contrário também é possível de ser feito, deixar o objeto colorido e o fundo em branco.

Fiz esse trabalho utilizando Máscara para Aquarela da Corfix, uma descoberta e tanto para mim. Mas não vou falar sobre isso agora.😛 Como eu disse, farei um post com todo passo a passo do meu trabalho, e lá explico também como funciona essa máscara! Só digo que o uso dessa belezinha revolucionou meu processo de criação de trabalhos assim!❤

Bom, agora vamos para os detalhes:

Depois de finalizar a parte com aquarela, resolvi adicionar alguns dentes-de-leão à ilustração. Além de delicados, os dentes-de-leão tem um significado bem bacana também, que vão desde liberdade a luz espiritual. Como eu fiz esses pequenos detalhes em branco, conto no próximo post de Ilustração😛

É isso por enquanto, espero que tenham gostado, comentários e críticas são bem vindos!

Até a próxima :**

Sobre pequenices e fundo desfocado

Hoje eu postei uma foto no Instagram (essa com um tsuru, logo aqui em baixo) com a legenda: “Eu e meu vício por tsurus, coisas pequeninas e fundos desfocados.” Daí me peguei pensando sobre esse meu “vício”, especialmente as coisas pequenas e o fundo desfocado em fotos. Acho que muitas dessas coisas simples que dizemos, fazemos, mostramos e gostamos dizem sempre um pouco sobre nós. E ultimamente eu tenho buscado um significado pra tudo, sabe? Pode meio clichê dizer que na vida tudo tem um significado por trás, mas nem sempre nós vamos atrás de saber o que realmente é.

Eu poderia simplesmente classificar essa minha tendência de gostar de coisas pequeninas pelo fato de eu mesma ser pequena… Mas acho que é mais que isso. Acho que eu sempre fui muito detalhista, me preocupando com cada minúcia que surgia pela frente… Ok, esse é um ponto. Pode ser também o fato de eu ficar feliz com pequenas coisas e situações, não precisar de extravagâncias pra me tirar um sorriso do rosto. A verdade é que eu me sinto muito confortável com tudo isso!

Agora, associando isso ao fundo desfocado, sempre presente na maioria das minhas fotos, eu posso dizer que talvez seja esse o meu jeito de mostrar ao mundo como eu penso, e incentivar as pessoas a também valorizarem mais essas pequenas coisinhas da vida! Preste atenção nos detalhes, nas coisas pequenas, naquilo que às vezes passa batido, que você não dá tanto valor, desfoque o superficial e seja surpreendido! Depois me conte se isso fez alguma diferença pra você!😉

Na verdade, a minha intenção não era falar nada disso, hahaha! Era basicamente falar sobre o meu gosto sobre fotos assim, e contar como eu descobri que poderia obter esse resultado mesmo tendo uma câmera compacta… Enfim, fica pra uma próxima!😛

Se esse post não fez muito sentido pra você, aqui vão algumas fotos pra te distrair… Ou não! Hahaha!

(Clique para poder ver maior!)

The true colors of a Tree

Saudações, terráqueos!

Hoje estou aqui para fazer meu primeiro post sobre a minha Arte. Ainda não vou falar sobre o Pontilhismo em si, vou deixar isso para um post mais elaborado… Mas vou falar sobre o processo criativo de um dos meus trabalhos mais recentes. Prontos? Aí vai!😀

Esse foi feito em tempo recorde! Menos de um dia de trabalho!😛

Eis a história dessa árvore… Eu sempre gostei muito de árvores e de ver desenhos das mesmas, mas sempre que ia tentar fazer, virava aquela árvore típica dos desenhos de crianças, cujas copas parecem nuvens! Não que isso seja ruim, mas eu queria aprender a fazer uma árvore mais próxima do real…
E assim fui tentando, estudando, descobrindo técnicas, sozinha ou durante algumas aulas… E junto com o pontilhismo surgiu essa versão! Tenho duas ou três dela no meu sketchbook, e aparecem também no meu Instagram… Ou seja, uma certa fixação por esse desenho, talvez (?)

Vou aproveitar esse espaço para dizer que as minhas obras estão à venda, posto todos os meus trabalhos na Fanpage no Facebook (Dá uma olhadinha lá! Tem o link aqui do lado! ——>), e tenho alguns portfólios que em breve divulgo (quando forem atualizados). Então se você se interessar por algum trabalho meu, ou quiser alguma encomenda, vamos conversar!😉

Tree
“The true colors of a Tree” Pontilhismo s/ papel Opaline. 2014

Por hoje é isso pessoal!

Kissu da Ana :*

INKtober (pt. 1/3)

(post transferido do Tumblr.)

No mês de Outubro participei do desafio Inktober, que consistia em fazer um desenho por dia, utilizando nanquim, por um mês.
Foi um ótimo exercício para criar uma rotina e passar a desenhar todos os dias, acho que isso vai me ajudar um pouco a exercitar mais a criatividade. Afinal, no começo eu estava cheia de idéias, e quando foi chegando mais para o final do mês, foi ficando mais complicado criar algo novo.
Mas foi proveitoso, e me deu muitas idéias para novos projetos!

Em breve posto a parte 2 e 3!